Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Bichanando

Onde uma jovem quarentona limpa o cotão que tem no cérebro!

Bichanando

Onde uma jovem quarentona limpa o cotão que tem no cérebro!

20200422_163327.jpg

O Dedé faz hoje anos. O caçula da minha mana 'Zabelinha'. O benjamim dos Bichos de Beja.
Um puto lindo, de expressivos olhos azuis e cabelo claro aos caracóis. O protótipo de um anjinho barraco que quando se passa...FUJAM!
E o mais novo da trupe mas, meus amigos, põe tudo num virote antes de alguém conseguir dizer: o rato roeu a rolha de rum do rei da Rússia!
Quando irado, cai sobre ele uma descarga tal que vai tudo a eito. Eu chego a dar uns passinhos atrás!
Agora está um homenzinho (o tempo da foto de cima já passou) mas continua a ter bochechas apetecíveis, despertando-nos vontade de pegar nela, vira-lo ao contrário e babar-lhe aquele rostinho todo. Lógico que, entretanto, já tínhamos levado um enxovalho de murros e puxões de cabelo...As crianças são tão deliciosas!!!

Hoje o seu aniversário será diferente. Haverá bolo a assinalar a data mas nada de gente a bater a porta ou a chatea-lo com peúgas e pijamas embrulhados. Mas, a bem dizer, ele nem se vai importar. O Dedé nem gosta de festas de anos. Nem sequer é muito amigo de ir as festas dos outros, quanto mais ter de receber malta em casa a interromperem-lhe o Fortenite.
O Dedé vai estar feliz. E isso é, realmente, o que importa. 
Agora, que este estropício do Covid nos está a espetar umas quantas estacas no coração, isso está... este realíssimo filho de uma grande besta!
Estar hoje longe de Beja, do Dedé, do João, da minha irmã, pais e cunhado; sobretudo saber que a minha filha não vai poder abraçar o primo no seu aniversário é pua que se me encrava nas entranhas.

Tal não é a moenga!

Cuidem-se!

P. S. - Não, não emburreci de todo. O estropício do teclado não está a fazer acentos!....

20200420_111913.jpg
Começou a Telescola. Pandemia? Pandemónio!
Eu já só me rio com esta valente tourada e ainda agora começou.
A minha Caetana está a levar aquilo a sério. Levantou-se bem disposta, ansiosa, cheia de genica... Deus a conserve. Depois, com o andamento da aula, começou a ficar impertinente com a tarefa de ter de fazer um horário...Dah, deixa lá isso, miúda. Aliviei-lhe a inerente pressão de uma situação nova, de tempos diferentes, de vivencia esquisita... Mas acho que fui muito branda. Bem, a miúda lá sossegou. Até demais. Até sair da casca.

-«Mamã, trazes-me uma chá?»

-«Aquece só minuto e meio.»

-«Ah- de frutos vermelhos.»

-«Agora não posso sair daqui que estou a estudar.»

-«E prepara já umas bolachinhas que vou ter fome daqui a pouco.»

-«E o almoço? Sabes que tenho de despachar-me que as 14. 30h tenho conferencia com a professora.»

-«Estás a acompanhar mamã?»

Mau...E rabinho lavado com água de malvas? Não queiras baixar a garimpa não!
Estou bem tramada com esta ditadora de cabelo pelas costas, crente de que é valente mulher!

Tal não é a moenga!

Cuidem-se!

 

20200418_135518.jpg

E em copo de plástico!
Raio de sensação esta! Senti-me como se estivesse a atropelar a lei, a cometer o mais sério dos delitos, a prevaricar contra a humanidade. Por Dios!
Farta de fazer almoço e jantar todos os santos dias (sempre pensei que tudo me acontecesse nesta vida, menos isto...), decidi ir a um restaurante take away buscar grelhados que já ando enjoada de tanta ervilha com ovos, massada de bacalhau e coisas do género.

Primeiro- voltei a pegar no carro. Lord! Senti-me como se estivesse a andar de balão! Que liberdade. Que saudades. Como é que um ato dantes tão trivial agora soube como se estivesse a fazer a atividade mais radical do mundo?

Cheguei ao restaurante - a 2 km de casa, hã?. PESSOAS! Iupiiiiiiiiiiiiii!
Devia ter um sorriso tão parvo, tão grande, tão descabido que até me perguntaram se já era habitueé ou conhecida lá do sítio (acharam que eu era valente totó!)

E- loucura das loucuras - enquanto esperava bebi um café !!!!! Louvado seja Deus! Até em copo de plástico me soube ao mais exótico dos licores. Tão estranho. Há um mes e quinze dias que não me encostava a um balcão (maneira de dizer que cumpri com as regras de segurança). 

Como é possível que um badamerdas de um vírus consiga mudar toda a sociedade, consiga mudar a vida como antes a conhecíamos e fazer-nos valorizar atos e gestos de que antes até nos esquecíamos de incluir no diário do nosso quotidiano?  Isto virou-se tudo ao contrário e eu ainda não tinha aprendido a fazer pinos!!!!

Tal não é a moenga!

Cuidem-se!

20200416_151548.jpg

Ainda me lembro da tua primeira tatuagem. Bem, se calhar não (nem tu, certamente... )
Isto para dizer que já lá vão uns anitos! 
Esta miúda- Venusa Claro- nasceu e deitaram fora o molde!
É a instrutora de spinning com mais carisma, mais fogo, mais paixão pelo que faz que alguma vez existirá.
O amor que põe nas aulas é contagiante. Fora do normal! A sua felicidade quando montada na bicicleta não tem comparação com nada!  A mulher transcende-se a cada aula deixando cada um de nós em êxtase (isto soa um pouco a porno, ou não?) 
Há muito tempo que não pedalava a olhar para ela ( querem ver que me estou a esticar na pieguice?).
Ontem deu uma aula on line, através do Facebook,  lá longe na sua casa... Claro que o sainete não foi o mesmo. Não porque não se tenha empenhado ou porque foi uma Venusa diferente.  Nada disso. Ela cantou, dançou, gritou, esbracejou, de certeza que apanha torcicolos de tanto rodar a cabeça encadeando-se com as batidas.
Qual maestro perante a orquestra. É que é tal e qual! Impossível não se ficar com pele de galinha assistindo à sua satisfação  (esta prosa está mesmo a ficar muito esquisita, hã!)
A tipa é brutal! Aqueles gritos entram-se-nos , entranham-se-nos e ficam a ecoar cá dentro qual droga que vicia e nos deixa irritados sem a dose (calculo que assim seja que nunca fui muito dada a esses estímulos).
Mas, verdade se diga, e falando em berros: quem nunca levou um arraso da Venusa não está preparado para as agruras da vida. Tão brutinha graças a Deus! Parece que a estou a ouvir: «fo##$%-se Bicho!» E pumba, um murraço!
Só os reencontros nos mostram a verdadeira intensidade das saudades!
Tal não é e moenga!

Cuidem-se!

P. S - Estás tão bonita nesta foto Venusa (estou melosa demais não estou? Isto não é nada normal... Levava agora uma galheta puxada atrás...)

 

20200414_101815.jpg

Juro-vos que não sei como aguenta quem tem três, quatro e cinco filhos... Eu, com uma, já estou precisada de um implante capilar tantos os nervos de andar sempre atrás dela a dizer-lhe o mesmo: «Caetana arruma/ Caetana não deixes as luzes acesas/ Caetana limpa/ Caetana não sejas calhandrona (em bom alentejano!)»
Quando me salta a tampa - e salta disparadíssima muitas vezes - , tiro-lhe o telefone. Acabam-se os whatsapps e  Tik Toks. É o pior que lhe posso fazer.
Vem, depois, a boa da moça, tentar amansar-me.
-Mamã, vou arrumar as gavetas.
- Ora aí está uma boa ideia que cada vez que lá mexes deixas tudo revolvido.
-O que é revolvido?
-Ai....

Dois minutos mais tarde...
-Anda ver como ficou tudo arrumadinho mamã!
-Caetana, então desdobraste as cuecas todas? Isto parece uma loja. Estavam todas dobradinhas... Para que foi isso? Ai se a tua avó Gertrudes visse!!!!!
-Mas ela não vai saber porque tu não lhe vais contar!
-Mas vou escrever no blog!
-Mãe, por favor, não escrevas isto no teu blog . Toda a gente tem direito a sua 'parvoicidade'!
(Ah, ah, ah, ah, ah...)

-Agora é que disseste algo acertado - parvoicidade.
Deverá ser mistura de parvoíce e privacidade. Digo eu. Na cabecinha dela foi só tentativa de articular as palavras mais rápido que o raciocínio. Depois fica toda chateada quando me rio das tiradas dela. Minha Caetana é a maior! E está-se mesmo a ver que respeito a sua 'parvoicidade', né?

Tal não é a moenga!

Cuidem-se!

20200414_115404.jpg

Conhecemo-nos no ginásio ( no nosso Fitness Hut)! Já nem me lembro quando! Mas servíamos de belo argumento para filme: três mulheres completamente diferentes que, algures, encontraram grandes afinidades.
Hoje a Inês (morenaça à direita) faz anos. Está em casa com a filhota que também hoje faz um aninho sem que possa haver a algazarra e o babanço (vulgo apertões de bochechas) com que sempre se presenteiam bebés irresistíveis desta idade.
Parabéns amigas! Maldito Covid que não me deixa ser 'tia' mais presente para a Catarina. 

Conhecemo-nos no ginásio! Já nem me lembro quando! Mas isso também não interessa para nada.
A Inês, apesar de mais nova que eu (pouco mais, hã!) sempre foi a mais adulta - a voz da razão, a dos conselhos sábios, a mais presente, a mais consciente, a que tem as palavras certas nas ocasiões indicadas; é quem mais nos dá na cabeça ( ela fala, fala e nós fazemos o contrário, mas tem sempre razão!)

A branquinha da esquerda é a voz do coração!
Toda ela é mel, lamechice, meiguice, beijeiroquice e todas as 'ices' que se recordem. É a mais chorona, a mais sentimental, a mais sensível... É a Cindi!

Depois existo eu. Que sou a mais...eu! Assim, meio ....eu! Que tão depressa balanço mais para ser como...eu!

No dia em que tiramos a foto de cima, foram as duas fazer-me uma surpresa ao jornal A BOLA (quando ainda lá era jornalista), decidindo animar-me por que, na altura, estava a ter um qualquer dilema existencial, vulgo ataque de nervos à Bicho (qual era mesmo a minha macacoa? E estávamos tão magras, catano!)
Enfim!
Hoje o dia é da Inês, ex aventureira que metia a mochila às costas e rodava o mundo sozinha. 
Como a vida muda. Hoje aposto que está feita dona de casa a cozinhar o bolinho da filhota, despreocupada com as raízes brancas do cabelo (por acaso, aí, ganhas-me!), de calças de ganga e ténis mas cheia de charme, sempre a ser boa (a melhor) em tudo o que faz!
Que tenhas dia imensamente feliz!!!!!!
E quando te apanhar vou ter tantas saudades que vou ser uma... Cindi!
Tal não é a moenga!

Cuidem-se!

20200413_215456.jpg

Isto vai ser bonito, vai! Deus me dê paciência, porque se me dá força...
Naturalmente brinco, ainda que, de vez em quando, a minha Caetana sinta os meus cinco dedos naquele befe! Mas é uma benção de menina (a ver se ela não me ouve)!
Fechadas em casa há mais de um mês, um pequeno diálogo torna-se já na discussão mais pertinente das nossas vidas. Uma ligeira contrariedade é mais que suficiente para que se abram as comportas.  E solta-se uma choradeira qual Maria Madalena em ponto pequeno.

Chegou, enfim, a hora DA conversa : (não aquela, ainda, de mãe para filha...por Dios)
«Piqui (como lhe chamo): amanhã começa o terceiro período e volta a tua rotina. Tens de te levantar cedo e fazer os trabalhos que a professora mandar. De tarde tens os treinos (sim, faz ginástica on line com as amigas e a professora da acrobática - Deus a conserve que tem uma disposição para entreter as crianças...)»
Resposta:
- Sim, mãe! Sabias que hoje o Toni vai ser preso?
-Quem?
-O Toni da Nazaré.
- Mau...estamos a falar da escola, de como já és uma mulherzinha, que tens de ter responsabilidade..
-É que parece que foi ele que matou o Felix!
- Ai, 'atão' mas afinal estás a prestar-me atenção ou chateamo-nos já antes sequer de começar o terceiro período e a teleescola?
- Está beeemmmmmm.....Mas a Nazaré também caiu numa armadilha e voltou para a prisão!

1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9............Zen, Elsa Marina, zen....

Vai ser muito complicado a menos que o Ministério da Educação seja sensível a esta temática e faça testes e a avaliação dos putos sobre a Nazaré (passe a publicidade à SIC). Fica a sugestão!

Tal não é a moenga!

Cuidem-se!

 

20200412_213312.jpg

Outra vez? Irra que é demais! Devia aprender com as cenas, ou não? Nada disso - as porvoêras continuam a acontecer-me. Repetidamente. Recorrentemente.Reincidentemente!
Já estava pouco amarelinha aqui enclausurada... Eu que já de mim pareço um espantalho de cera, que ninguém diria que tenho pinga de sangue e que já nem o mais caro ' betume' me decora a tez baça, ainda tive de voltar a trocar creme por autobronzeador. Que porra ainda fará aquilo cá em casa?
Todas as noites é uma guerra com a Caetana que, só depois da promessa de uma pastilhita ou de uma barrita kinder, acede a por-me creme nos pés (nada interesseira ou manhosa). Bem, depois até se entusiasma e besunta-me o pijama todo com creme,  unta os cabelos dela, o sofá....
«Caetana vai lá buscar o creme...»
Cheirava tão bem!
No outro dia de manhã foi o pânico: «Mamã, estou doente, estou toda amarela. Foi alguma coisa que comi? Olha as minhas mãos, aiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii as minhas unhas!!!!»
«Ó filha, sossega...» - lá me lembrava da porra do creme.
Mas, de facto, os meus pés pareciam saídos de dentro do barro ... Fomos ver: outra vez o autobronzeador!
A bem dizer, uma pessoa gasta dinheiro em tangas - sério que já alguma vez me passou pela cabeça a ideia de fazer melhor figura com cor de embalsamada do que assumir-me branca como a cal da parede? 
Pois, já sei, comprei aquilo há anos,  por altura de começar a usar saia sem meias, translúcida de ter passado o inverno tapada... Passamos fases tão estúpidas! Por Dios! Aish - aquilo já devia até ter passado de prazo! Capaz de ainda perspegar uma urticária na criança!

Agora tenho de ir esfregar-me com um piaçaba!

Tal não é a moenga!

Cuidem-se!

20200308_191405.jpg

Há muito tempo que mudei a minha vida pela minha filha Caetana. E nunca me arrependi. Nem vou arrepender. 
Antes do #%$%&/&ta do Coronavírus já passava muito tempo em casa com ela.
Mas tem 9 anos, quer brincar, é cheia de saúde e energia, graças a Deus, e é já muito difícil entretê-la (grande Tik Tok, obrigada!)
Vai agora passar a ter escola em casa e, mesmo que a vida volte- mais ou menos- a ser o que era, eu continuarei dedicada à minha pequena tufão. E é tão bom. É mesmo tão bom receber miminhos constantes, sorrisos, cumplicidades, cabeçadas e pisões também... Mas, por Dios! É que nem na casa de banho consigo estar sozinha. Assim que me sento (vocês sabem onde) vejo logo a porta a abrir-se e os olhões dela a espreitarem. Entra e depois....depois é a mesma conversa todo o santo dia e noite!
Deixo-vos com os nossos considerandos: 

«Mamã...mamã, mamã....mamã, mamã!»

«Mamã...mamã, mamã....mamã, mamã!»

«MAMÃÃÃÃ......»

«Mamã...mamã, mamã....mamã, mamã!»

«MAMÃÃÃÃ......»

«MAMÃÃÃÃ......»

«Mamã...mamã, mamã....mamã, mamã!»

«MAMÃÃÃÃ......»

«Mamã...mamã, mamã....mamã, mamã!»

«MAMÃÃÃÃ......»

«Mamã...mamã, mamã....mamã, mamã!»

«MAMÃÃÃÃ......»

«Mamã...mamã, mamã....mamã, mamã!»

«MAMÃÃÃÃ......»

«Mamã...mamã, mamã....mamã, mamã!»

«MAMÃÃÃÃ......»               To be continued...

Que boa moenga!

Cuidem-se!

PÁSCOA FELIZ!

P. S - 'Atão' e o 'Quo Vadis' pá? Não dá este ano na TV?
Isto nem sabe a Páscoa nem a coisa nenhuma! Sniffffffff

20200408_211337.jpg É que nem fechada em casa deixo de passar por situações confrangedoras. Por Dios! Pois que a presente quarentena 'obrigou-me' a ir buscar uma bicicleta estática para ver se transpiro o stress e a ansiedade resultantes deste cabrão deste confinamento.
Coloquei a minha nova amiga junto da varanda, bem perto das janelas. Até há bem pouco tempo pedalava ao som das músicas que mais me inspiram a dar ao canelo. Mas agora, o Alexandre Júnior, do Fitness Hut Amadora, começou a dar aulas on line. Ora, é completamente diferente estar em esforço de acordo com as batidas certas e com as músicas selecionadas para diferentes percursos e treinos. A intensidade é muito maior se estiver alguém a dar-me ordens: «sobe, desce, sobe, desce, aguenta, power climb, carrega, aperta, alivia...» (querem ver que tenho perfil de submissa?)

Bem, um destes dias, lá estava eu a pedalar como se não houvesse amanhã, com o som do telemóvel ligado a uma pequena coluna. Acontece que o Alexandre Júnior - quem o conhece percebe o que estou a dizer - tem uma voz característica. Mais: tem um assobio peculiar - sonoro, intenso, divertido, contagiante.

 

20200408_211420.jpgAcontece que, com a janela aberta e a música a bombar, cada vez que ele assobiava um grupo de rapazes da casa em frente olhava para cima, vislumbrando apenas a mim, toda transpirada e esgrouviada ainda que os assobios fossem do Alexandre Júnior!

20200408_211521.jpg

Logicamente riam, olhavam para a minha janela e cochichavam . De certeza que estariam a pensar: «Olha esta tarada! A pedalar e a galar-nos lá de cima. E nem se esconde, só assobia!»

Devia estar bem corada - do esforço e da barraca!
Fechei um pouco a janela e continuei  'a subir a montanha'. Era o que mais faltava - haver alguma coisa que me impedisse de suar o meu mau feitio por estar aqui fechada há semanas! Sim, estou insuportável, birrenta, impertinente, má de aturar, pessimista, fartinha desta m#$##da!!!!!!!!!!!

Por Dios!

Tal não é a moenga!
Cuidem-se!

PÁSCOA FELIZ!